Desenvolvimento profissional para a docência online: análise de um programa de formação de docentes na Universidade Eduardo Mondlane

Lina Sara C. do Rosário

Resumo


A transição para o ensino online exige dos docentes competências específicas para exercerem a docência. A prática tem mostrado que a maioria dos docentes não está preparada para ensinar efectiva e afectivamente, o que demanda formação na perspectiva de desenvolvimento profissional. Este artigo apresenta os resultados de um estudo realizado na Universidade Eduardo Mondlane que tinha como objectivo analisar as percepções dos docentes em relação as suas necessidades de desenvolvimento profissional para a docência online, bem como do impacto da formação na melhoria das suas competências. A literatura é incipiente quanto as percepções dos docentes sobre suas necessidades de desenvolvimento profissional para a concepção de programas de formação, ademais, muitas vezes os conteúdos dos programas são réplica de outros contextos e não se enquadram nas práticas de ensino. Trata-se de um estudo qualitativo e exploratório, na vertente de estudo de caso, em que participaram 16 docentes. O estudo mostrou que os programas de desenvolvimento profissional devem ser concebidos a partir do diagnóstico das necessidades dos docentes no ensino online e identificou-as como sendo a facilitação, a elaboração de materiais didácticos e a utilização das tecnologias. A formação teve impacto positivo na medida em que os docentes aprenderam as estratégias de facilitação, de motivação e de feedback, os aspectos a terem em conta na elaboração dos materiais didácticos e a utilização correcta das tecnologias. Em contraste com a literatura, os docentes apontaram os papéis pedagógico e de gestão como sendo de docentes e que devem ser considerados nas acções de formação.



xxx videos
hd porn
antalya escort bayan
escort antalya
sex stories
antalya escort

Texto Completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011. 281p.

BELLONI, M. Educação a Distância. 2ª ed. Campinas: Autores associados, 2001. 115p.

BERGE, Z. The role of the on-line instructor/facilitator. 1995. Disponível em: http://cordonline.net/mntutorial2/ module_2/Reading%202-%20instructor %20role.pdf. Acesso em: 29 de Julho de 2014.

FULLAN, M. Change Forces: the sequel. Philadelphia: Falmer Press, 1999. 90p.

GIL, A. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008. 220p.

GONZÁLEZ-SANMAMED, M.; MUÑOZ-CARRIL, P.; SANGRÀ, A. Level of proficiency and professional development needs in peripheral online teaching roles. Athabasca University, The International Review of Research in Open and Distributed Learning, v. 12, n. 6, p. 162-187, 2014. Disponível em: http://www.irrodl.org/index.php/irrodl/article/view/1771. Acesso em: Janeiro de 2015.

GOODYEAR, P. et al. Competences for Online Teaching. Educational Technology, Research and Development, v. 49, n. 1, p. 65-72, 2001. Disponível em: http://www.academia.edu/313849/Competences_for_online_teaching_A_special_report. Acesso em: 19 de Outubro de 2014.

GUSKEY, T. Professional Development and Teacher Change. Teachers and Teaching: theory and practice, v. 8, n. 3/4, p. 381-391, 2002. Disponível em: http://physics.gmu.edu/~hgeller/TeacherWorkshop/Guskey2002.pdf. Acesso em: 30 de Maio de 2012.

KENSKI, V. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas: Papirus, 2008. 157p.

LYNCH, M. The on-line educator: a guide to creating the virtual classroom. London: Routledge Falmer, 2002. 192p.

Masetto M. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Editorial Summus, 2003. 194p.

MCQUIGGAN, C. The Role of Faculty Development in Online Teaching’s. Potential to Question Teaching Beliefs and Assumptions. Online Journal of Distance Learning Administration, v. 10, n. 3, 2007. Disponível em: http://www.westga.edu/~distance/ojdla/fall103/mcquiggan103.htm. Acesso em: Outubro de 2014.

MOÇAMBIQUE. MINED. Estratégia da Educação à Distância, 2014-2018. INED, 2013. 67p.

PALLOFF, R. e PRATT, K. Making the transition: Helping teachers to teach online. In EDUCASE: THINKING IT THROUGH, Nashville: Tennessee, 2000. Disponível em: http://net.educause.edu /ir/library/pdf/EDU0006.pdf. Acesso em: 28 de Novembro de 2014.

QUINTAS-MENDES, A. e CRATO, A. Formação de e-formadores: alguns princípios pedagógicos. Discursos, Série Perspectivas em Educação, n. 2, p. 171-176, 2004. Disponível em: http://repositorioaberto.univ-ab.pt/handle /10400.2/164. Acesso em: 22 de Abril de 2014.

ROSÁRIO, L.; MOREIRA, A. Competências do professor para o ensino online: análise de um curso de capacitação de docentes em EaD. Revista Online Indagatio Didactica, vol. 7, n. 1, p. 115-131, 2015.

SALMON, G. E-Moderating: the key to teaching and learning online. London: Kogan Page, 2000. 180p.

SANTOS. E. Ambientes virtuais de aprendizagem: por autorias livre, plurais e gratuitas. Revista FAEBA, v. 12, n. 18, p. 1-20, 2003. Disponível em: http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/hipertexto/home/ava.pdf. Acesso em: 22 de Agosto de 2013.

TAVARES, K. O Professor virtual: reflexões sobre seu papel e sua formação. 2000. Disponível em: http://www.lingnet. pro.br/papers/eadprof.htm. Acesso em: 20 Agosto de 2012.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Revista Científica da UEM: Série Ciências da Educação



ISSN 2307-390X