COMPETÊNCIAS DE LITERACIA: densidade lexical nos textos escritos de alunos da 10ª e 12ª classes

Autores

  • Manuel Chemane Faculdade de Letras e Ciências Sociais, Universidade Eduardo Mondlane (UEM)
  • Gildo Lanziuane Faculdade de Letras e Ciências Sociais, Universidade Eduardo Mondlane (UEM)

Palavras-chave:

Densidade lexical, textos escritos, Moçambique

Resumo

Este estudo surge no âmbito do desenvolvimento das Competências de Literacia na escola, dada a sua relevância para acompanhar a evolução da produção escrita dos alunos. Esta pesquisa, conduzida em 2017, parte do pressuposto de que os valores da densidade lexical nos textos do registo argumentativo aumentam conforme o aluno avança nos anos escolares e tem como objectivo estabelecer uma comparação da produção escrita dos alunos da 10ª e 12ª classes relativamente à densidade lexical. O estudo partiu da seguinte questão: qual é o índice de densidade lexical nos textos escritos produzidos por alunos da 10ª e 12ª classes de uma escola secundária moçambicana? Os dados para análise são 10 textos produzidos por 10 alunos das duas classes, do período diurno, em contexto de sala de aulas, na disciplina de Português. Usou-se a fórmula da densidade lexical proposta por Ure (1971) como categoria de análise. Os resultados deste estudo mostram que os alunos da 10ª classe apresentam maior percentagem de densidade lexical comparativamente com os alunos da 12ª classe. As conclusões do estudo revelam que não há mudanças positivas da densidade lexical global quando relacionada com o progresso escolar, o que refuta a nossa hipótese de pesquisa. No entanto, tomadas as medidas por classes de palavras, identificou-se uma correlação positiva da densidade adverbial e verbal com a progressão escolar, o que parece justificar o alargamento da amostra deste estudo de modo a confirmar estes resultados quando aplicados a uma base de dados mais consistente e representativa.

Referências

BERMAN, R. A.; RAVID. Becoming a literate language user: oral and written text construction across adolescence. In: OLSON, D. O.; TORRANCE, N. (eds.). Cambridge Handbook of Literacy. Cambridge: Cambridge University Press, 2009, p. 92-111.

COLOMBI, M. C. Academic language development in latino student’s writing. In: SCHLEPPEGRELL, M. J. e COLOMBI, M. C. (eds.). Developing advanced literacy in first and second languages. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2002, p. 67-86.

CONSELHO EUROPEU. Conclusões do Conselho sobre a Literacia [26 de novembro, 2012]. Lisboa: Jornal Oficial da União Europeia.

DIAS, I. S. Competências em educação: conceito e significado pedagógico. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. São Paulo, v. 14, 2010, p. 73-71.

GOUVEIA, C. Aspectos do uso de orações encaixadas num corpus de desenvolvimento da escrita no ensino básico. In: COSTA, M. ARMANDA e DUARTE, I. (eds.). Nada na linguagem lhe é estranho: homenagem à Isabel Faria. Porto: Edições Afrontamento, 2009, p. 197-213.

HALLIDAY, M. A. K. Spoken and written modes of meaning. In: HOROWITZ, R. e SAMUELS, S. J. (eds.). Comprehending oral and written language. Orlando: Academic Press, 1987, p. 55-82.

HALLIDAY, M. A. K. Methods – techniques – problems. In: HALLIDAY, M. A. K e WEBSTER, J. J. (eds.). Continuum companion to systemic functional linguistics. Nova Iorque: Continuum, 2009, p. 59-86.

JOHANSSON, V. Lexical diversity and lexical density in speech and writing: a developmental perspective. Lund:Lund University, Dept. of Linguistic sand Phonetics, 2008, p. 61-79.

LEIRIA, I. Léxico, aquisição e ensino do português europeu língua não materna. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a ciência e Tecnologia, 2006, 80-99.

MARTINS, M. Densidade lexical na escrita de textos escolares. Revista Londrina. Lisboa, v. 20, p. 218-240, 2017.

MENDES, A. Organização textual e articulação de orações. In: RAPOSO, E. B. P. (ed.). Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013, p. 1691-1758.

PARLAMENTO EUROPEU e CONSELHO EUROPEU. Sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida [2006]. Lisboa: Jornal Oficial da União Europeia.

RAVID, D. Emergence of linguistic complexity in later language development: Evidence from expository text construction. In: RAVID, D. e SHYLDKROT, H. B. (eds.). Perspectives on language and language development: essays in honor of Ruth A. Londres: Kluwer Academic Publishers, 2004, p. 337-355.

READ, J. Assessing vocabulary. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

SIOPA, M. C. Escrever sem papel e corrigir sem caneta: o desenvolvimento da escrita e o uso do e-mail. In: MONTEIRO, A. C e BASTOS, J. M (eds.). Ensino da língua portuguesa em contextos multilingues e multiculturais. Porto: Porto Editora, 2017, p. 102-123.

SANTOS, A.; ROCHA; S. O desenvolvimento da competência lexical por meio de expressões idiomáticas do amazonês. Re-Unir Revista. Minas Gerais, v. 6, p. 1-15, 2019.

SILVA, A. S. Palavras, significados e conceitos o significado lexical na mente, na cultura e na sociedade. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Letras e cognição. Lisboa, v. 46, p. 27-53, 2010.

TO, V. Different perspectives on linguistic complexity: innovative trends in language and literacy education in a global discourse. Malaysia: Pearson Longman, 2013b, p. 13.

URE, J. Lexical density and register differentiation. In: PERREN, G. E. e TRIM, J.L.M. (eds). Applications of Linguistics: selected papers of the 2nd international congress of applied linguists. London: Cambridge University Press, 1971, p. 443-452.

##submission.downloads##

Publicado

2021-07-22

Como Citar

Chemane , M. ., & Lanziuane, G. . (2021). COMPETÊNCIAS DE LITERACIA: densidade lexical nos textos escritos de alunos da 10ª e 12ª classes. Revista Científica Da UEM: Série Letras E Ciências Sociais, 2(2). Obtido de http://revistacientifica.uem.mz/revista/index.php/lcs/article/view/142