O HOMO ECRANIS EM “SANGUE DA AVÓ, MANCHANDO A ALCATIFA” DE MIA COUTO

Autores

  • Osvaldo das Neves Faculdade de Letras e Ciências Sociais, Universidade Eduardo Mondlane (UEM)

Palavras-chave:

Espaço Social, Hipermodernidade, Homo Ecranis, Personagem

Resumo

Desde a Modernidade que o Ocidente se vem notabilizando com invenções e inovações nos campos da ciência e da técnica. O uso massivo da tela, por exemplo, permitiu que a humanidade aperfeiçoasse mecanismos sofisticados e universais de comunicação, e o seu impacto nas estruturas sociais tem já merecido a reflexão de filósofos da contemporaneidade. Gilles Lipovetsky (2011) propõe o conceito de hipermodernidade para descrição do actual estado da cultura global, em que o Homo sapiens se vai metamorfoseando em Homo ecranis. Esta reflexão filosófica pode ser ilustrada numa crónica literária intitulada “Sangue da Avó, manchando a alcatifa”, da autoria de Mia Couto. Tomando como base o método de análise intertextual proposto por Júlia Kristeva (1969), que admite o diálogo entre o texto literário e outros textos (método bibliográfico, portanto), a nossa comunicação tem por objectivo desenvolver uma reflexão em torno das personagens da crónica em alusão à luz do conceito lipovetskiano de hipermodernidade. Como resultados, esperamos demonstrar que o uso massivo e excessivo da tela tem reflexos no espaço social percorrido pelas personagens na crónica, para além de prenunciar a gestação dum novo modelo cultural próprio do séc. XXI.

Referências

AGUIAR E SILVA, V. M. de. Teoria da Literatura. 8ª ed. Coimbra: Livraria Almedina, 2011.

BACON, F. Novum Organum. São Paulo: Acrópolis, 2002.

BARTHES, R. Análise Estrutural da Narrativa. 7ª ed. Petrópolis & Rio do Janeiro: Vozes, 1982.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão seguido de A influência do jornalismo e Os Jogos Olímpicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

COTTLE, S. Ulrich Beck, ‘Risk Society’ and the Media: A Catastrophic View?”. European Journal of Communication. v. 13. n.1, p. 5-32. 1998.

COUTO, M. Cronicando. 3ª ed. Lisboa: Caminho, 1991.

DE ANDRADE, C. D. de. Boitempo - Menino Antigo. São Paulo: Editora Schwarcz s.a., 2017.

DESCARTES, R. Discurso do Método.. 3ª. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

HABERMAS, J. O Discurso filosófico da modernidade. 2ª. Ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

KRISTEVA, J. Introdução à Semanálise.. 2ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, L. C. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002, Pp. 169 - 214.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A Cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

LIPOVETSKY, G. Metamorfoses da Cultura Liberal: ética, mídia e empresa. Trad. Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2004.

MCLUHAN, M. A galáxia de Gutenberg: a formação do homem tipográfico. Trad. Leônidas Gontijo de Carvalho e Anísio Teixeira. São Paulo: Editora Nacional & Editora da USP, 1972.

REALE, G.; ANTISERI, D. História da Filosofia: do Humanismo a Descartes. Vol. III. São Paulo: PAULUS, 2005.

##submission.downloads##

Publicado

2021-07-22

Como Citar

Neves, O. das . (2021). O HOMO ECRANIS EM “SANGUE DA AVÓ, MANCHANDO A ALCATIFA” DE MIA COUTO. Revista Científica Da UEM: Série Letras E Ciências Sociais, 2(2). Obtido de http://revistacientifica.uem.mz/revista/index.php/lcs/article/view/143